Avó Maria | o pai burguês - IV

O pai usufruía de estatuto de "mulato burguês", o que lhe permitia frequentar as mesmas festas, os mesmos locais dos brancos, exigindo mesmo por parte deles tratamento e respeito igualitário.
estatuto ilusório, que o levou a pensar que podia agir como os seus "iguais". de tal forma que um dia, o chefe de posto, autoridade máxima da região, "quis passar das marcas",e ele não foi de meias medidas, pegou no canhangulo e pô-lo fora da sua propriedade.
vejam lá que o chefe do posto tinha tido a ousadia de lhe querer dar o mesmo tratamento que costumava dar aos pretos... tinha tido o tratamento que merecia! e isto afirmava ele a bocas cheias...
homem trabalhador, com uma visão demasiado alargada para a época,impunha-se exigindo respeito.
claro que durante a sua vida o amigo luciano exagerou no seu estatuto, daí que até hoje se pergunte como morreu tão jovem com uma simples apendicite. operação com pagamento adiantado e tudo.
negligência médica?... contas saldadas?...
a mãe diz que ele percebeu a trama toda que o levou tão cedo desta vida. chamou-a a si mais a sua irmã e pediu-lhes que se mantivessem unidas.apelou à mulher que não as abandonasse.
Os "credores", e apareceram muitos..., confiscaram-lhe praticamente todos os bens.
Mas foi riqueza que não durou muito. conta-se que as cabeças de gado morreram uma a uma e os novos proprietários seguiram-se-lhes também um a um. fala-se de uma família inteira...

1 comentário:

Adolfo Payés disse...

Paso siempre a leerte es un placer..

Un beso


Un abrazo
Con mis
Saludos fraternos...