Foi tudo decidido desde o concílio
quando escutadas todas as vozes
mesmo dos que se diziam de sete céus
e considerados de cousas menores.
Assim se afirmaram vontades
o pai Júpiter assim decidiu,
no Olimpo se decidia “sobre as cousas futuras”
com Vénus e Marte a apelar pela bênção,
contando com a ajuda de Mercúrio para desviar Baco de outras intenções.
E desta feita levaste a diante a empresa ao encontro de Féti, o primeiro de Suku.
o que caiu do céu que seguiu para o Cunene para caçar
onde emergiu das águas a perfeita Tchoya para o completar.
O Princípio que da Perfeição se enamorou
e com ela fundou a primeira família que pela luz do sol foi alumiada.
Que trouxeram ao mundo Ngalangui e Viyé os pais dos povos,
os que unem o norte ao sul e haviam de chamar a si as populações
e viriam a ser o tronco de uma grande família.

Depois, depois vieram os mandos e desmandos,
subtraídas vitórias em somas de derrotas
os sonhos...
lembranças de(os) feitos e desfeitos
dos abraços fraternos de guerra
os choros da terra clamando sossego.
Assim chegaste no meu amargo de espera
tardando vinhas com os despojos, vestes em fiapos
Assim te descobri de alma lavada
com olhos de luz cravados com gosto no teu espelho de todos os dias
carregado de cheiros e novos retábulos de sábio alquimista
quimbanda, soba, guerreiro, amante
à espera de um novo amanhã com cheiro quente do sul

1 comentário:

Adolfo Payés disse...

Que hermoso siempre pasar por tu espacio.. descubrirlo.. es extraordinario lo que escribes.

Un beso.


Un abrazo
Saludos fraternos..