as cores dos sonhos - IV

era o homem dos tecidos. era assim pelo menos que o chamávamos. mesmo a mãe, ainda que alguma vez tivesse sabido o seu nome, nunca o tinha pronunciado.
ele vinha simplesmente e entrava nas nossas vidas colorindo-as e desafiando a imaginação da mãe que com a ajuda de burdas velhas emprestadas, fazia de nós modelos invejáveis.
mesmo quando nos habituámos a apanhar o 15 ainda de cor verde e passar pelo n´gola cine em direcção ao S. paulo, para encher os olhos nos grandes armazéns da gajageira, onde se multiplicavam os cortes, os actores e as cores nos confundiam como luzes de palco, a mãe continuou fiel ao homem dos tecidos.
e na grande arca de latão em que se guardava os lençóis e colchas que não se usavam todos os dias, que tinha um tampo por cima, onde a mãe tinha a gargantilha e os brincos brilhantes, a mantilha da missa, a écharpe brilhante, a carteirinha de lantejoulas de ir a casamentos, e a caixa de chocolates onde guardava as fotografias antigas, a mãe guardava sempre alguns cortes de fazer inveja e que faziam parte das suas relíquias.
Às vezes tentávamos surrupiar algum, para a mãe fazer um vestido ou uma blusa para nós, mas a mãe não ía nisso. Dizia sempre que estava guardado para fazer qualquer coisa para a qual ainda não tinha encontrado o feitio certo. E um tecido tão bom, não se estragava com um feitio qualquer...
alguns desses cortes chegaram a vir para portugal e a mãe não deixou de talhar um vestido para estrear no natal, mesmo cosido à mão, matando as tardes de um futuro incerto, com o olhar a galgar através do vidro o atlântico na procura do impossível, no 214 do hotel paris, nas vésperas do natal de 75.


99.07.07

2 comentários:

Adolfo Payés disse...

Siempre es un inmenso placer leerte..

Un beso

Un abrazo
Saludos fraternos..

O Profeta disse...

Não sei quem vence!
Não sei quem leva a melhor
Só sei que um sorriso teu
Fez desabrochar das pedra uma flor

Com ela teci um tapete
Engalanei a sombra dos teus passos
Escrevi um derradeiro pedido numa pétala
Rogando a infinita ternura dos teus abraços



Doce beijo